quinta-feira, 26 de março de 2009

Luminárias dos Anjos

LUMINÁRIAS DOS ANJOS
Efigênia Coutinho

Desmancha-se o astro sol ao poente.
O dia vai se desnudando de sua luz,
desvanecendo ao fim lentamente
vindo em seu lugar a noite que seduz.

Resplandece o luar todo enfeitiçado
num manto de nuvens em caracóis,
tendo acima seu dorso alvejado
perfazendo linda cascata de lençóis.

Por entre estrelas reluzentes
a salpicar todo céu de beleza
- luminária e arcanjos constantes!

contêm leveza e real sutileza
numa transparência suscitante
da brandura de sua grandeza!

Balneário Camboriú

15 comentários:

manuel marques disse...

Como sempre um lindo poema.

Um abraço querida amiga.

rodri disse...

tu poesía como una sutil luminaria, ilumina la noche.
BESOS

Alvaro Oliveira disse...

Lindíssimo soneto!
Pleno de luz, de romantismo.
Sabe bem entrar neste blog
e saciar a se de poesia.

Parabéns amiga Efigénia

Alvaro Oliveira

anjobaldio disse...

Muito bom teu blog. Obrigado por tua visita. Grande abraço.

Cantinho da BelZinha disse...

Oi Efigênia, obrigada por seguir meu Cantiho , gostei muito de tua poesia...Estarei sempre aqui, sempre que possivel, beijinhos Belzinha

poetaeusou . . . disse...

*
esotérico poema,
envolto de estranho musical,(?)
adorei,
,
tens um mimo
no meu cantinho,
,
ventos de simpatia, deixo,
,
*

JC disse...

Como sempre a tua poesia é bela. Os poemas que nos trzes, sempre nos fazem reflectir.
Adoro o fim dum dia, ver o pôr do sol, lá bem ao fundo do mar.
Beijinhos

Isabel José António disse...

Querida Amiga Efigênia,

Lindíssimo poema subtil de uma leveza sem limites.

Não lhe dou os parabéns mas peço à Mãe Natureza que nunca lhe tire sua divinal inspiração.

Um abraço

José António

tertulías disse...

Como s empre, Efigenia, voce me emociona...

Multiolhares disse...

Bonito o teu poema,
Embalado no manto de estrelas
em harmonia com a mãe natureza

beijinhos

Adrian LaRoque disse...

Lindo!

Edson Lariucci disse...

Belissima poesia... simples, que guarda uma profundidade de entrelinhas subjetivas extremas...
Voltarei...
Obrigado pelo simpático comentário...

Bjos!

Joshuatree disse...

Bela tradução, do que o olho vê, e a alma sente. Um andar lento, pelo momento presente.

Obrigado, por fazer-se presente e a consideração de seu comentário em meu espaço.

Beijo no coração.

Francisco Silveira disse...

Um dos momentos do dia que eu mais gosto, é o entardecer.
A partir de agora, vou procurar observar as Lumínárias dos Anjos.
Lindo poema!
Abraços.

BAR DO BARDO disse...

bela descrição...

lírica ao extremo!

felicidades.