sábado, 16 de maio de 2009

Doce Melancolia

DOCE MELANCOLIA
Efigênia Mallemont

Remonto-me à canção de Pindemonte
Na peregrinação da minha alma alheia
Noutra alma introduzida e escondida
De cravos e de rosas sendo cheia!...

Cheiro dimelas, lírios duma serra
Com a aridez sorvida pelas chuvas
E sinto o salso aroma de Neptuno
Faltando-me um sentido desta terra.

É o sentido da vida numa esfrega
E que grita surdo num sussurro;
O tato, sim, o tato duma fera...
Que vai vivendo na doce espera.

Na dor do coração batido a murro.
Tão violento palpita que o amor grita
Sai fora do meu peito, e extenuado

Rebenta na mais doce melodia
Porque serena é a melancolia.
É sim melancolia e melopeia

Nos suspiros traídos do prazer
Não sendo nem volúpia nem desejo
Mas prazer de poesia na alma cheia!

Brasil, 10.11.2003



IPPOLITO PINDEMONTE

(Verona 1753 – 1828)

Pindemonte, poeta e letterato, esordì in teatro con la mediocre tragedia Ulisse nel 1777. Il suo gusto poetico elegante e malinconico si trova a pieno nelle Poesie Campestri del 1788 (tra queste si trova la famosa odicina La Melanconia) e nelle Prose, di soggetto e di intonazione idillici. La sua opera più famosa è la traduzione dell’Odissea data alle stampe nel 1822. Soggiornò a Venezia presso il Palazzo Benzon, dove si teneva un salotto letterario al quale partecipavano importanti artisti e letterati, tra i quali Ugo Foscolo, con cui ebbe una breve discussione riguardo al trattato di S.Cloud. Egli inoltre soggiornò a Ca’ Rezzonico, uno dei più importanti palazzi del Canal Grande, in seguito all’estinzione dei Rezzonico e al passaggio di proprietà del palazzo prima ai Widmann e poi ai Pindemonte.

Palazzo Benzon

Ca' Rezzonico

indietro

À maneira de Pindemonte

De Alexander Puchkin
Tradução de Joana Angélica D'Ávila Melo

Não me apego aos direitos reboantes
que a muitos homens viram a cabeça.
Não choro se os deuses me negaram
a sorte de opor-me a privilégios,
ou de impedir os reis de entrarem em guerra.
Em nada me magoa que a imprensa
açoite os parvos, que a censura alerta
persiga os cultores do motejo.
São só "palaras, palavras, palavras".
Outros direitos me são caros, e outra,
mais alta e bela liberdade eu amo:
servos de plebe ou servos de poder,
não será tudo o mesmo? Não prestar contas
a mais ninguém, servir e comprazer
a si mesmo somente, não baixar
a cabeça às coroas, às librés,
vagabundear conforme dita o estro,
deixar-se seduzir pela beleza,
comover-se perante a natureza,
perante as criações da mente. Isto é
felicidade, estes os direitos.

34 comentários:

Davi Machado disse...

Bravo!!!
Muito me encanta a poesia italiana!
esta língua dos meus avós, esta que falo fracamente!

um post divino! muito bom!

grato por seu carinho com minha humilde poesia!

bjs e tudo de bom!

Davi

Olavo disse...

Lindo post minha querida..poesia muito bela..adorei
beijos

Ana Martins disse...

Querida amiga,
lindo, maravilhoso, soberbo este post!!!!!!!!!

P A R A B E N S !!!!

Beijinhos,
Ana Martins

Alvaro Oliveira disse...

Amiga Efigénia...

Graças que hoje deu para ficar
saciado de ler as suas nopvas postagens maravilhosas.
Adorei esta postagem.
Parabéns, querida amiga.

Um beijo

Alvaro

Zilda Santiago disse...

Lindíssimo poema,como sempre.Obrigada pela honrosa visita.Grande beijo no coração.

Dona Poesia disse...

Lindo poema Efigênia. o amor está no ar, percebe-se!
Quero agradecer ao seu carinho, lá no meu blog. Estimo todos que me visitam e honram com sua visita, sem distinção. No entanto, ser lida e receber um feedback de uma pesoa com a sua vivência intelectual, seus conhecimentos, enfim, sua bagagem intelectual, deixa-me feliz demais.
Eu tenho visitado todos os seus blogs, e lido seus novos posts. Pode contar sempre comigo para o que for necesário. ]

Um grande abraço e obrigada pela força que me dá. Às vezes penso em desistir de tudo, mas aí recebo um post seu, ou da Ana, ou do Gallobar, ou da Emília, ou do Davi. Tenho poucos leitores, mas que me entendem. É um conforto.

Cadinho RoCo disse...

É pela permissão que chegamos à liberdade.
Cadinho RoCo

Francisco disse...

Quando leio as poesias publicadas aqui, fico preocupado em não ser repetitivo ao comentá-las, pois todas são belas, e a última sempre acaba superando-as.
Senti falta na sua curta ausência, e já estou esperando o próximo post, que sem dúvida será ainda mais lindo.
Um beijo.

tecas disse...

Maravilha a sua perfeita " Doce melancolia". Soberba, autêntica na beleza das palavras. Tem sonoralidade, ritmo e alma. Passar uns minutos a ler a sua poesia Géninha, dá alento e faz-nos pensar
que existem coisas na vida pela qual vale a pena viver. Amor e amizade.
Bji querida e não consigo ser seguidora de ninguém porque não sei ainda trabalhar bem com isto:)
Obrigada pela dica:), a sempre amiga
Tg

manuel marques disse...

"A melancolia é a felicidade de estar triste ."

Um grande,grande beijo de amizade querida amiga.

J.Garés Crespo disse...

Lindo blog e belas poesias.
Parabéns ..!!
Até breve.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA AMIGA, BELÍSSIMA POSTAGEM... SUBLIME POESIA!!!
VOTOS DE UMA BOA SEMANA... ABRAÇOS DE CARINHO,
FERNANDINHA

Helena disse...

Olá Efigénia, Grande poetisa! Muito inspirado este seu poema lindo."Mas prazer de poesia na alma cheia!" Sim, concordo! Prazer dorido por vezes, mas que enche a alma de tão gratificante que é.

Bem Haja!

Helena

Barros disse...

Belíssima postagem.
Ler sua poesia "Doce melancolia" evocando Pindemonte é algo muito especial.
Parabéns!

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...la palabra unida al sentimiento da la fuerza viva del corazon ,y desde mi alma a la tuya te doy el mio para ti...jose ramon.

Adrian LaRoque disse...

Lindos poemas como sempre.

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Efigênia, obrigado pelas palavras sempre de incentivo, acho bonito seu estilo e forma de escrever também...é um soneto né?
Muito bem significado em sua palavras...uma ótima semana para você...um abraço na alma

Pena disse...

Oh, Estimada e Maravilhosa Poetisa Amiga:
Que doce melancolia escreveu.
Não tenho palavras para expressar o seu terno, admirável e fabuloso génio e talento poéticos.
SUBLIME! Fiquei "alucinado" pela "explosão" de sentimentos dele que fascina, delícia e encanta.
Quanta beleza imensa, meu Deus...
"...É o sentido da vida numa esfrega
E que grita surdo num sussurro;
O tato, sim, o tato duma fera...
Que vai vivendo na doce espera.

Na dor do coração batido a murro.
Tão violento palpita que o amor grita
Sai fora do meu peito, e extenuado

Rebenta na mais doce melodia
Porque serena é a melancolia.
É sim melancolia e melopeia

Nos suspiros traídos do prazer..."

Se a perfeição do sentir fosse possível atribuir-lhe-ia todos os adjectivos que não chegariam para a definir a si e ao génio do seu fabuloso versejar...
Como não o sou, fica a minha eterna simpatia e amizade que, sim, existem no que sou...ESTÁ BEM?
Beijinhos de um respeito, estima e consideração ímpares.
Maravilhado...

pena

Lindaaaaaaaaa!

mundo azul disse...

_______________________________

A beleza desfilando sutilmente no seu post...Adorei!


Beijos de luz e o meu carinho...



Zélia

_______________________________

António Gallobar disse...

Estava aqui pensando no meu canto, que é feito da amiga Efigenia, logo encontrei belas palavras, que nos deixam encantados. Parabens amiga

Beijinho

Léo disse...

Esse Pindemonte parece ser versátil em liberdade do eu incondicional. Viva o livre.

Quanto a tua poesia.

"Na dor do coração batido a murro. Tão violento palpita que o amor grita, sai fora do meu peito, e extenuado rebenta na mais doce melodia, porque serena é melâncolia".

Um absurdo de poesia. A mescla das palavras poéticas (Palpita, Grita, amor), com palavras de cunho real (batido, murro, rebenta), traz uma sensação muito forte ao texto.

Sem contar as asfixia da agonia em ter os sentimentos e não pô-los para fora. Essa melâncolia tão rude e maldosa, só serve para explodir em dasabafos.

Direto do Rio.
Um beijo moça poetisa.

T@CITO/XANADU disse...

Também cantaria uma mlodia,
se não fosse a melancolia.
Hoje canto odes ao amor e a paixão,
como quem não conhece silêncio e solidão...
Bela poesia.
Voltarei - Tácito

Márcia Sanchez Luz disse...

Efi querida, que lindo poema!
Parabéns pelo blog, cada dia mais envolvente.
Um beijo em seu coração,
Márcia

Edson Lariucci disse...

Vc me fez lembrar dos meus bisavós... Amo a Itália! e quando leio trechos tão característicos a mente retorna, não tem jeito, é quase como se fosse um essência mesmo...

Muito bom Voltar a ler vc!

Beijaum!
Edson Lariucci

Prof. Israel Lima disse...

Venha Você, Também, Comemorar!
35º Aniversário do Prof. Israel Lima (23/05/2009)
e os 4 meses do [Pelo Corredor da Escola] (22/05/2009)


Ofereço a você que acompanha meu blog “Pelo Corredor da Escola” um selo comemorativo do 4º mês na net do blog e do meu 35º aniversário.
Esta foi a maneira que achei para retribuir o carinho que você tem dispensado a mim, visitando e comentando as postagens que publico no blog, que a tão pouco tempo vem crescendo, graças a você, eu só tenho que agradecer. Para mim é um privilégio ter você, lá, no meu espaço, que surgiu em 22/01/2009. No dia 22 deste mês o blog completará 4 meses na net e no dia 23 é o meu aniversário de 35 anos. Venha comemorar comigo!!!

O selo é o meu presente para você.

O presente que eu quero receber de você é a sua visita e VOTOS nos meus selos de participações.

Bom, agora e só copiar e usar em seu blog.

Desde já agradeço o seu carinho e consideração.

Será um prazer imenso visualizá-lo em seu blog.


Um grande abraço,

Prof. Israel Lima

©tossan disse...

Um texto
é o olhar da alma
encontradas por quem escreve,
nos lugares e objectos,
dos abraços das letras,
avistado na utopia
ou na realidade!

Bela postagem! Beijo

Paulo - Intemporal disse...

muito bela esta poesia.

gostei muito Efigênia.

um bom fim de semana.

um beijo meu.

José Heitor Santiago disse...

Poesia!

Adorei!

Um bom domingo!

Abraços poema,

jhs

Pena disse...

Admirável e Genial Poetisa:
Vim reler. Adorei de novo.
VOCÊ tem a noção da beleza, pureza e ternura do seu fabuloso sentir grandioso e numa amplitude existencial GIGANTE para todos nós...?
Prefiro silenciar-me...
Perplexo e atónito pela sua magia maravilhosa que fascina...
Beijinhos de enorme respeito e admiração...

pena

Isabel José António disse...

Olá Querida Amiga Efigênia,

Lindíssimo poema. Parabéns? Já a palavra se gasta por tão elevada inspiração.

Um grande abraço

José António

PS:

Se quiser dar uma espreitadela nos nossos blogues, não deixe de ver os últimos posts quer no POESIA VIVA quer no O CAMINHO DO CORAÇÃO.

Sandra disse...

Passei por aqui. Te espero.
Tem selo em curiosa.
Bjs.
Sandra

tertulías disse...

Saudades...

Valdemir Reis disse...

Olá Efigênia é sempre com grande alegria que visito este importante espaço. Honrado e feliz. Quero agradecer sua amizade. Muito obrigado! Certo estou quando um amigo nos acompanha nenhum caminho é longo demais e vamos além, também que a amizade é como as estrelas, embora não vendo toda hora sabemos que existem. Parabenizo você pela harmonia e qualidade deste trabalho. Grande tema, ótima escolha, excelente poema, lindissimo, inspirador e terno, lindo visual, uma preciosidade, gostei. Valeu ter passado aqui. “Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove. E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.” Cora Coralina. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Aguardo sua visita, passa lá! E volte sempre! Tenha uma agradável e feliz semana de grandes realizações. Muita paz, brilho, proteção e sucesso. Tudo de bom, muita prosperidade... Fique com Deus. Forte e caloroso abraço.
Valdemir Reis

Cadinho RoCo disse...

Quando em contato com a poesia que dita poesia de fato ficamos meio que atordoados pela força que vem do ser lírico que, uma vez libertado do poeta, inunda o nosso ser transformado, ainda que por instantes, em versos.
Cadinho RoCo